Boletim nº 31 - 25 de Abril de 2021

O Estresse da Fé

por Rev. Renato Prates

stress da fé.JPG

Detalhe da Imagem - Hand Reaching Out For Bird - by Nathan Lau

Tudo começa com as crianças: “Seja um bom menino”. "Seja uma boa garota." "Deixe o papai orgulhoso." “Não nos faça passar vergonha”. Conforme as crianças ficam mais velhas, o seu meio social se torna mais importante. Os jovens sentem que precisam estar à altura dos padrões do grupo, para serem dignos de serem convidados para as festas ou ficarem com os garotos descolados. A mídia social cria uma pressão ainda maior para que ele e ela sejam reconhecidos e muitos não conseguem competir e desmaiam em sua baixa alto-estima.

 

Na idade universitária, a pressão para ter um bom desempenho escolar aumenta, junto com tudo o mais. A ansiedade é o flagelo de muitos estudantes universitários, porque o sucesso futuro parece depender do desempenho acadêmico. A pressão continua até a idade adulta, agravada pelas avaliações de desempenho no trabalho, junto com as mesmas pressões de antes: “Seja um bom profissional”. “Seja digno de nossa empresa.” “Seja um bom pai.” “Seja uma boa mãe”.

 

Parte desse stress parece inevitável, mas e a fé? Será que ela alivia ou causa stress?

 

Na verdade, a fé também possui o seu stress. Alguns de vocês podem ter vindo de uma formação religiosa com muita pressão para ter um bom desempenho ou atingir certos padrões. Você sentiu que precisava ser “um bom cristão”, obedecendo às expectativas superficiais e legalistas da sua religião. Se você alguma vez falhou em cumprir o esperado, então foi humilhado e condenado ao ostracismo. Ou talvez, sua experiência religiosa tenha sido em um grupo onde a aceitação total era difícil de se obter. Pessoas que não pertenciam as famílias certas, que não eram "legais o suficiente" ou não cresceram com outras pessoas no grupo, nunca poderiam ser aceitas.

 

A igreja de Filipos estava lidando com algumas dessas questões, e Paulo se sentiu compelido a enfrentar a situação de frente. Em Filipenses 3: 1-6 ele vai tratar de um tremendo stress religioso! A circuncisão foi dada a Abraão como um sinal de sua inclusão na promessa da aliança de Deus. Para os judeus, a circuncisão indicava uma posição privilegiada no mundo. Os judeus FORAM privilegiados, como povo escolhido de Deus. Paulo diz sobre o povo de Israel em Romanos 9: 4-5: “Deles é a adoção à filiação; deles a glória divina, as alianças, o recebimento da lei, a adoração no templo e as promessas. Deles são os patriarcas, e deles é traçada a ancestralidade humana do Messias, que é Deus sobre todos, eternamente louvado! Amém."

 

Quando o Messias - Jesus Cristo - veio, todos os crentes, não apenas os judeus, tornaram-se filhos de Deus. No entanto, houve muito debate na igreja sobre se os gentios deveriam ser circuncidados, como um sinal de sua inclusão na aliança original de Deus com seu povo. Após uma séria discussão, os apóstolos decidiram que os gentios não precisavam ser circuncidados. Pelo que Paulo disse, parece que havia algumas pessoas em Filipos que estavam tentando convencer os gentios a se submeterem à circuncisão. Eles provavelmente não estavam dizendo que a circuncisão era necessária para a salvação, mas que era um símbolo de ser "um cristão melhor" ou “perfeito”.

 

Pode ter havido traços de racismo ou superioridade cultural nisso também. Alguns judeus desprezavam os gentios, chamando-os de “cães gentios”. Paulo mudou isso, quando disse em uma linguagem bastante direta: "Cuidado com esses cães, esses malfeitores, esses mutiladores (lit." cortadores ") da carne." Mas a circuncisão era mais do que status; um homem que era circuncidado era então obrigado a obedecer religiosamente a todos os mandamentos da lei judaica. Ele não podia comer carne de porco (Uma pena...a mais deliciosa que existe) e teria que cumprir escrupulosamente centenas de leis judaicas. Ele estaria sob uma pressão tremenda para ter um bom desempenho, porque apenas cumprindo as leis judaicas ele poderia ter confiança de que estaria vivendo como "um bom cristão".

 

Paulo não tolerava a fé tóxica que os circuncisadores traziam para a igreja. Sua fé era baseada no orgulho cultural, na justiça própria superficial e na mentalidade de desempenho. Paulo podia jogar o jogo da superioridade com os melhores deles, visto que tinha status superior como um judeu nascido e criado, um fariseu escrupuloso, um moralista legalista e um zeloso defensor do judaísmo. No entanto, seu testemunho foi de valor algum. Na verdade, era "lixo". O que antes era uma fonte de orgulho para ele, havia drenado sua alegria, tornado-o menos justo e o deixado sem esperança. Basta ler os versículos de 7-11. Paulo havia encontrado uma fé melhor, o que revelou quão tóxica tinha sido sua fé hipócrita. Vejamos em detalhes desta nova fé:

 

A justiça de Paulo não foi baseada em desempenho, mas em aceitar a graça de Deus em Jesus Cristo. No versículo 9, ele diz que foi “achado em Cristo, não tendo minha própria justiça que vem da lei, mas aquela que vem pela fé em Cristo - a justiça que vem de Deus com base na fé”. A retidão no desempenho pode ser baseada em ser “uma boa pessoa da igreja”, que aparece para a igreja, contribui como esperado e apoia o que o pastor ou a liderança desejam.

 

Cada igreja tem as suas expectativas. Quando buscamos uma nova comunidade, visitamos muitas igrejas antes de nos decidirmos. Foi interessante ver como cada denominação ou grupo “fazia igreja”. Alguns tinham longos sermões, com “pessoas verdadeiramente comprometidas” tomando notas. Outros tinham longos tempos de adoração, com “adoradores apaixonados” levantando as mãos. ” (Em outras igrejas, adoradores dedicados cantavam no coro.) Alguns exigem constantemente a oferta, enquanto outros nem mesmo usam um gazofilácio. Alguns enfatizam as boas-vindas aos recém-chegados e o evangelismo, enquanto outros enfatizam o serviço na comunidade. Alguns defendem o patriotismo, enquanto outros têm uma ênfase mundial.

 

A justiça de Paulo não dependia de nada parecido. Sua justiça veio de Deus, não de seus próprios esforços. Ele foi feito justo pela fé em Cristo e estava seguro de sua aceitação por Deus. O objetivo de Paulo era conhecer a Cristo, não por meio de um sistema de regras, mas por "participação em seus sofrimentos." Em muitas igrejas, não se fala muito de conhecer a Cristo por meio do sofrimento. Há muito sobre como Cristo pode ajudar as pessoas a evitar o sofrimento, ter prosperidade e ser saudáveis e felizes. Essas são coisas boas! No entanto, enquanto Paulo sofria na prisão, ele se encontrou mais perto de Cristo.

 

Não buscamos sofrimento, é claro, e espero que não tenhamos que sofrer muito. O que devemos compartilhar com Cristo é servidão. Como Filipenses 2: 7 diz, Cristo Jesus “se fez nada por assumir a própria natureza de servo ...” Jesus sofreu pelo bem dos outros. Ao nos juntarmos a ele para servirmos aos outros, nos aproximamos dele. Conheço pessoas que trabalham com os sem-teto, com presidiários, com mulheres e crianças vítimas de abuso e com filhos adotivos. Ao fazerem a obra de Cristo, eles conhecem o coração de Cristo com mais paixão.

 

A confiança de Paulo estava na ressurreição de Jesus Cristo dentre os mortos. Filipenses 3: 10-11 declara: “Eu quero conhecer Cristo — sim, conhecer o poder de sua ressurreição e participação em seus sofrimentos, tornando-se como ele em sua morte, e assim, de alguma forma, alcançando a ressurreição dos mortos.”

 

Paulo era fariseu e os fariseus acreditavam na ressurreição. Mas a confiança de Paulo aumentou para um nível diferente quando ele conheceu o Senhor Jesus ressuscitado. Isso lhe deu forças para enfrentar sua situação atual e uma esperança segura de vida eterna. Há um antigo hino, Great Is Thy Faithfulness, que tem um verso que diz: "Força para hoje e brilhante esperança para amanhã." Paul teria concordado! A ressurreição garantiu a Paulo o poder de Deus em sua situação atual, ao mesmo tempo que lhe deu a garantia de um futuro glorioso.

 

Como lidamos com o estresse, quando a vida parece fora de controle? Pensamentos de fuga, confusão, até raiva. Circunstâncias que não podemos mudar. Opressão por poderes e autoridades espirituais, políticas, econômicas e sociais. Precisamos de força para hoje e de uma esperança segura para amanhã. A ressurreição de Jesus Cristo é uma evidência de que podemos confiar em Deus no presente e no futuro. Isso significa que teremos uma vida sem stress? Não. Paulo não teve uma vida livre de stress.

 

Pelo teve uma vida inconformada com a imperfeição de sua natureza pecaminosa. Isto é que ele diz nos versículos 12 a 16, do capítulo 3 de Filipenses. O atleta vai para a sala de musculação, dia após dia. Todos os dias, ele se esforça, quase além do que pode suportar. Cada semana há mais peso, mais repetições, mais stress dos músculos. Por quê? O objetivo! Vencer a corrida, ganhar a medalha, atingir a perfeição na ginástica ou no gelo.

 

Para os crentes, o prêmio está garantido, mas ainda não alcançado! É o já e o ainda não!

 

QUAL É A ALTERNATIVA PARA FUGIR DO STRESS DE DESEMPENHO?

 

É escapar para um mundo sem julgamento, uma vida de ceder a todos os caprichos?

 

Algumas pessoas que sentem a pressão da ansiedade de desempenho tentam escapar. Elas abusam de álcool ou drogas. Elas podem tentar aliviar a ansiedade em pornografia ou fantasias. Eles podem ir a festas selvagens, onde vale tudo. Alguns procuram pessoas “tolerantes” para ter certeza de que tudo o que façam, bom ou mau, está tudo bem. Alguns tentam redefinir os padrões da sociedade e até mesmo da igreja, para remover o stress causado pela desobediência aos padrões morais de Deus.

 

A resposta ao stress de desempenho não é mais regras, OU não há regras. É viver como Paulo descreveu, viver com Cristo, conforme ele registra nos versículos 17 a 21. Paulo tem a visão de uma vida vivida com Jesus!

 

Não é uma vida sem stress, pois a vida de Jesus não foi sem stress! Jesus aceitou o stress de uma vida justa, porque ele teve uma visão da glória por vir: Filipenses 2: 8-11 declara: “... Ele se humilhou tornando-se obediente até a morte - até mesmo morte na cruz! Portanto, Deus o exaltou ao lugar mais alto e deu-lhe o nome que está acima de todo nome, para que ao nome de Jesus todo joelho se dobre, no céu e na terra e sob a terra, e toda língua saiba que Jesus Cristo é o Senhor, para a glória de Deus Pai. ”

 

Paulo compartilhou dessa visão de glória, e isso fez seu stress valer totalmente a pena!

 

Filipenses 3: 20-21 diz: “Nossa cidadania está no céu. E esperamos ansiosamente um Salvador de lá, o Senhor Jesus Cristo, que, pelo poder que o capacita a colocar tudo sob seu controle, transformará nossos corpos humildes para que sejam como seu corpo glorioso”.

Esperança da Volta de Cristo — FranklinQuarta Palavra
00:00 / 34:49

Aos domingos, as mensagens são diferentes, selecionadas de outras fontes. Hoje, com Franklin Ferreira

Pedidos de Oração

​​​

Pelo fim da pandemia.

Pela chegada do Rev. Renato e Juliana.

Pelo Conselho.

Pela Junta Diaconal.

Pelos Ministérios da Igreja.

Pelos enfermos.

Pelos desempregados.

Pelas Missões.

Pela cidade de Macaé.

Pelo Estado do Rio.

Pelo Brasil.

Pelos afastados do Evangelho.

Pelos novos crentes.

Pelos perdidos.

Renião de Oração

Toda Sexta-feira, 6:00 h

Responsáveis:

Presb. Anderson

Cláudia

Lucília

Abril

28/04 Matheus Azevedo Marinho

30/04 Luciano Fróes Ribeiro

Maio

01/05 Ines Laurentino Faria

13/05 Ricardo de Oliveira Bispo

19/05 Luiz Tadeu Gomes Teixeira

19/05 Rose Damiana A Azevedo

31/05 Heloisa de Barcelos Silva Clen

Durante o período da pandemia o pastor da igreja tem estado disponível para aconselhamentos e reuniões em geral, pelo telefone e internet.

Se você tem alguma necessidade específica procure o pastor da igreja para ser atendido adequadamente. Você pode fazer isto pessoalmente ou através do telefone: (22) 98124-4283.

Por enquanto, as visitações nos lares e atendimentos presenciais no gabinete estão suspensos, por conta da pandemia. Entre em contato e seja pastoreado amorosamente!

Clique no título para conhecer a agenda pastoral.

Toda nossa programação, escala da equipe pastoral, novos eventos você encontrará no Menu > Agenda e Eventos.

Ao selecionar um evento, você verá na descrição as informações referentes.

Experimente agora! Clique no botão acima.

Dados Bancários :

Quarta Igreja Presbiteriana de Macaé.

CNPJ: 16.701.498/0001-50. 

Banco Itaú (341).

Agência: 0941.

Conta-Corrente: 19.643-8.

Chave PIX: 16701498000150

Favor depositar o comprovante junto com o envelope no gazofilácio ou enviar para: tesouraria@ccpmacae.org

Para contatar a Administração da Igreja, envie um e-mail para o Presb. Plínio administracao@ccpmacae.org