Boletim nº 36 - 30 de Maio de 2021

Deixem as criancinhas virem a mim.

Convite para

os fracos e necessitados

por Jonathan Parnell

children.webp

Imagem: Desiring God do artigo original.

Encostado no capô do meu carro, não queria que o encontro acabasse. Já era tarde, mas o estacionamento bem iluminado do lado de fora de seu apartamento parecia um ótimo lugar para conversar, e foi o que fizemos. Conversamos sobre a vida, a escola e o futuro, e para um jovem de 20 anos que aspirava ao ministério pastoral, eu trouxe toda a paixão que você pode imaginar. “Eu só quero estar onde Deus está trabalhando,” eu disse. “Isso é tudo. Eu quero estar bem no meio de sua ação.” Ela ouviu o zelo, mas cutucou imediatamente: “Mas e se Deus não quiser você lá? E se ele quiser você em um lugar chato? “Lembro-me de congelar por um segundo, um pouco confuso, antes de voltar: “Sim, claro. Mas você sabe – “O resto das minhas palavras sumiram. Ela me lembrou que os desejos de Deus eram maiores do que os meus, e que eu não havia considerado a menor possibilidade de que Deus pudesse querer algo diferente para mim do que ação. Logo me perguntei se ela queria algo diferente. Todo o relacionamento estava progredindo, mas isso era uma verificação do intestino. Ela preferia chato? Estávamos em desacordo. Foi um confronto necessário, não incomum para casais jovens, mas quem estava certo?

 

Repreensão nada surpreendente

 

Jesus não era estranho aos confrontos. Mesmo quando seus discípulos tinham boas intenções, ele rotineiramente corrigia o comportamento deles perseguindo-o no fundo do coração. O que eles fizeram, ou pretendiam fazer, resultou do que lhes importava, e Jesus se concentrou nisso. Considere a cena em Marcos 10. Jesus estava ensinando as multidões, principalmente os fariseus. Agora, Jesus e seus discípulos estavam em uma casa discutindo a última lição. Aparentemente, eles haviam se retirado da onda de ouvintes ansiosos, e aqui estavam apenas eles, seu pequeno bando, obtendo informações privilegiadas do próprio Professor. Mas então as famílias começaram a fazer fila do lado de fora. “Jesus quer que você venha como uma criança, como uma criança que precisa ser carregada.” TweetShare no Facebook Marcos nos diz no versículo 13: “E traziam-lhe filhos para que pudesse tocá-los. . .” Marcos não especifica quem estava trazendo, mas provavelmente eram os pais. E eles estavam trazendo seus filhos porque eles deviam ser muito pequenos para trazerem eles próprios. Eu imagino um grupo de mães, crianças na cintura, quase uma em cima da outra enquanto se aproximam de onde Jesus está sentado. “E os discípulos os repreenderam” (Marcos 10:13).

 

Ministério Mais Estratégico

 

Os discípulos não queriam que essas crianças incomodassem Jesus. E antes de criticá-los por sua frieza, devemos notar que suas intenções pelo menos pareciam boas. Eles pareciam querer sinceramente proteger Jesus, com seu tempo limitado e valioso, das distrações e do ministério “menos estratégico”. Seu grande Mestre tinha acabado de impressionar as multidões e ficar cara a cara com os fariseus. Ele estava se tornando um grande negócio. A última coisa que ele precisava, na mente dos discípulos, era crianças com nariz empinado competindo por sua atenção. Naquele dia, não havia nada de polêmico sobre o pensamento dos discípulos. O mundo do primeiro século não via as crianças como fofas e inocentes, como muitas pessoas modernas fazem. As crianças atrapalhavam e a compaixão pelas crianças não era uma virtude. Isso significa que os pais deviam saber que era muito difícil para Jesus tocar em seus filhos e, sem dúvida, eles não ficaram surpresos quando os discípulos os rejeitaram. “Mas quando Jesus viu isso, ficou indignado e disse-lhes: “Deixem as crianças virem a mim; não os impeçais, pois a tais pertence o reino de Deus” (Marcos 10:14).

 

Precise e pegue

 

Você vê o confronto? Os discípulos pensaram de uma maneira, mas Jesus pensou de outra. Seu zelo em guardar o tempo de Jesus entrava em conflito com o coração de seu reino. Eles estavam pensando como o mundo – que as crianças eram um incômodo para a sociedade. As crianças estavam na base da hierarquia social. A sobrevivência era tudo, e as crianças não moviam um dedo para ajudar. Eles apenas precisam e recebem. Precisa, pegue. Precisa, pegue. O dia inteiro. As crianças não trazem o bacon para casa; eles apenas comem (tudo o que eles não jogam no chão). E então eles o expulsam – e precisam de outros para cuidar disso também. Jesus tinha coisas mais importantes a fazer, pensaram os discípulos, como uma reunião com um CEO promissor que fez o banco (também chamado de jovem governante rico, Marcos 10: 17-31). Essas crianças tiveram que ir. Mas Jesus disse para deixá-los vir. E ele ficou indignado. O que as crianças podem trazer? Sua raiva queimava com a forma errada como os discípulos confundiram seu coração. É notável que Jesus não repreenda a cosmovisão predominante, mas repreende os discípulos por repetirem essa cosmovisão e presumirem que ele também o fez. Essa visão de mundo tinha menos a ver com filhos e tudo a ver com status. Quando Jesus diz das crianças, “pois a tais pertence o reino de Deus”, ele não quer dizer que o reino é possuído pelos fofos e inocentes, mas pelos desamparados e necessitados, como as crianças são. De mãos vazias. Fraco. Os discípulos, como nós, têm um talento especial para avaliar as multidões. Os vizinhos se tornam candidatos de quem pode fazer mais por mim, como os estudiosos judeus na primeira metade de Marcos 10 (versículos 1–12) ou o jovem governante rico na segunda metade (versículos 17–31). Queremos “aqueles caras” em nossa equipe, não crianças. As crianças eram as piores. O que as crianças podem trazer? Como eles podem contribuir? “Em verdade vos digo que todo aquele que não receber o reino de Deus como criança, não entrará nele” (Marcos 10:15).

 

Boas-vindas chocantes

 

Jesus disse para deixar as criancinhas irem a ele, e agora, no versículo 15, ninguém pode ir a ele a menos que seja como uma criança. Sempre foi assim, e ainda é. Você não pode vir a Jesus com os braços cheios de tudo que você acha que o torna bom. Ter tudo junto, seus melhores esforços – isso não é do interesse de Jesus. Suas boas-vindas são boas-vindas àqueles que carecem do que o mundo considera premium. O seu acolhimento é um acolhimento das necessidades, da pequenez, de quem não sabe se alimentar nem amarrar o sapato ou limpar o nariz. Ele quer que você venha como uma criança, como uma criança que precisa ser carregada. “E ele os tomou nos braços e os abençoou, impondo as mãos sobre eles” (Marcos 10:16).

Tradução: Rev. Renato Souza Prates

Deus manda matar?Quarta Palavra
00:00 / 43:18

Aos domingos, as mensagens são diferentes, selecionadas de outras fontes. Hoje, No Antigo Testamento Deus manda matar até crianças. Como conciliar essas ordens divinas com Jesus que pede para darmos a outra face?

Pedidos de Oração

​​​

Pelo fim da pandemia.

Pela chegada do Rev. Renato e Juliana.

Pelo Conselho.

Pela Junta Diaconal.

Pelos Ministérios da Igreja.

Pelos enfermos.

Pelos desempregados.

Pelas Missões.

Pela cidade de Macaé.

Pelo Estado do Rio.

Pelo Brasil.

Pelos afastados do Evangelho.

Pelos novos crentes.

Pelos perdidos.

Renião de Oração

Toda Sexta-feira, 6:00 h

Responsáveis:

Presb. Anderson

Cláudia

Lucília

Maio

31/05 Heloisa de Barcelos Silva Clen

Junho

13/06 Juliana Charret Barros Prates

19/06 Cibele de Barcelos Silva Clen

24/06 Raquel Gomes Pregioni Ribeiro

26/06 Myriam Carnaval Morett

Durante o período da pandemia o pastor da igreja tem estado disponível para aconselhamentos e reuniões em geral, pelo telefone e internet.

Se você tem alguma necessidade específica procure o pastor da igreja para ser atendido adequadamente. Você pode fazer isto pessoalmente ou através do telefone: (22) 98124-4283.

Por enquanto, as visitações nos lares e atendimentos presenciais no gabinete estão suspensos, por conta da pandemia. Entre em contato e seja pastoreado amorosamente!

Clique no título para conhecer a agenda pastoral.

Toda nossa programação, escala da equipe pastoral, novos eventos você encontrará no Menu > Agenda e Eventos.

Ao selecionar um evento, você verá na descrição as informações referentes.

Experimente agora! Clique no botão acima.

Dados Bancários :

Quarta Igreja Presbiteriana de Macaé.

CNPJ: 16.701.498/0001-50. 

Banco Itaú (341).

Agência: 0941.

Conta-Corrente: 19.643-8.

Chave PIX: 16701498000150

Envio de comprovantes ou assuntos administrativos, entre em contato.