Boletim nº 30 - 18 de Abril de 2021

O que não vem da fé é pecado - Será?

por JOhn PiPer

corda bamba.jpg

Pessoas da época de João Crisóstomo (347-407) tentaram limitar o significado das palavras de Paulo em Romanos 14:23, "Tudo o que não procede da fé é pecado." Crisóstomo adverte: "Ora, todas essas coisas foram ditas por Paulo sobre o assunto em questão, não sobre tudo."

 

Leon Morris segue esta limitação e diz: Qualquer que seja a verdade das ações feitas antes de alguém se tornar um crente, Paulo não as está discutindo aqui. Sua preocupação é com o crente que às vezes faz coisas que não são motivadas pela fé. (A Epístola aos Romanos, 493)

 

Mas Richard Lenski diz: Não! Isso deve ser restrito apenas ao cristão e à questão da adiaphora apenas, ou seja, à fé neste domínio? Não; abrange esse domínio apenas porque é parte de um domínio muito maior. (A Interpretação da Epístola de São Paulo aos Romanos, 854)

 

O que você acha? Este é o contexto para ajudá-lo a se orientar (Romanos 14: 21-23): “É bom não comer carne, nem beber vinho, nem fazer nada que faça seu irmão tropeçar. A fé que você tem, mantenha-se entre você e Deus. Bem-aventurado aquele que não tem motivos para julgar a si mesmo pelo que aprova. Mas quem tem dúvidas está condenado se comer, porque o comer não provém da fé. Pois tudo o que não procede da fé é pecado.”

 

Agostinho, em suas Conferências sobre o Evangelho Segundo São João, cita Romanos 14:23 como uma declaração universal que cobre todas as condições humanas: Não que você possa dizer: “Antes eu acreditava que já fazia boas obras e, portanto, fui escolhido”. Pois que boa obra pode ser anterior à fé, quando o apóstolo diz: “Tudo o que não provém da fé é pecado”? (Padres Nicenos e Pós-Nicenos, Vol. 7).

 

Thomas Schreiner concorda com Agostinho e aponta que Paulo facilmente poderia ter feito um ponto mais limitado parando com a primeira parte do versículo 23 (“Mas quem tem dúvidas é condenado se comer, porque o comer não provém da fé”). Ponto feito. Fim da discussão. Mas não. Agora ele acrescenta a máxima irrestrita: “Pois tudo o que não procede da fé é pecado” (Romanos, 739).

 

Suporte universal para um ponto específico

 

É verdade, claro, como Morris diz, que Paulo não está discutindo as ações dos incrédulos em Romanos 14. Mas esse não é um argumento convincente. Regularmente, apoiamos pontos específicos com pontos gerais. “Toda 'virtude' humana é depravada se não vier de um coração de amor ao Pai celestial - mesmo se o comportamento estiver de acordo com as normas bíblicas.”

 

Por exemplo, podemos dizer: “Os ponteiros longos dos relógios antigos nesta loja fazem uma varredura de 360 ​​graus a cada hora. Para os ponteiros longos de todos os relógios que têm faces circulares, fazem uma varredura de 360 ​​graus a cada hora. ” Ninguém nos consideraria razoáveis ​​se disséssemos: "Com essas duas frases, tudo o que podemos aprender é que os únicos relógios cujos ponteiros longos giram 360 graus a cada hora são os relógios antigos desta loja, porque é deles que estamos falando". Não. Trouxemos um ponto universal para apoiar o específico. Isso é o que Paulo fez. “Tudo o que não provém da fé é pecado” é um ponto universal. Existem numerosos suportes para isso fora de Romanos 14:23.

 

Por exemplo: O ponto de Paulo em Romanos 4:20 é que a fé glorifica a Deus: "Abraão se fortaleceu em sua fé ao dar glória a Deus." A razão pela qual atos infiéis são pecado é que eles não glorificam a Deus como alguém confiável. Em 1 Coríntios 10:31, Paulo disse: “Tudo o que você fizer, faça tudo para a glória de Deus”. Mas você não pode glorificar a Deus se você o está desonrando por não confiar nele. Então, onde não há fé, 1 Coríntios 10:31 está sendo desobedecido em todas as ações (não importa quão neutro em si mesmo).

 

Hebreus 11: 6 diz: “Sem fé é impossível agradá-lo.” Portanto, onde não há fé, todos os atos desagradam a Deus. Quando a virtude é pecado. É por isso que Agostinho disse que até mesmo as virtudes dos incrédulos são pecado. Um exemplo pode tornar mais clara essa acusação radical da “bondade” humana infiel. Suponha que você seja pai de um filho adolescente. Você o lembra de lavar o carro antes de usá-lo para levar os amigos ao jogo de basquete hoje à noite. Ele já havia concordado em fazer isso. Ele fica com raiva e diz que não quer. Você gentilmente, mas com firmeza, o lembra de sua promessa e diz que é o que você espera. Ele resiste. Você diz: "Bem, se você vai usar o carro esta noite, é isso que você concordou em fazer". Ele sai furioso da sala. Mais tarde, você o vê lavando o carro. “Nossa depravação é uma condição em relação a Deus principalmente, e apenas secundariamente em relação ao homem.” Mas ele não está fazendo isso por amor a você ou por um desejo que honra a Cristo de obedecer às Escrituras. Ele quer ir ao jogo com os amigos. Isso é o que obriga a sua “obediência”. Coloquei “obediência” entre aspas porque é apenas externo. Seu coração está errado. Isso é o que quero dizer quando digo que toda “virtude” humana é depravada se não vier de um coração de amor ao Pai celestial - mesmo que o comportamento esteja de acordo com as normas bíblicas.

 

Principalmente para Deus

 

A terrível condição do coração do homem nunca será reconhecida por pessoas que o avaliam apenas em relação a outras pessoas. Seu filho levará seus amigos ao jogo de bola. Isso é uma “gentileza”. Eles o receberão como um “benefício”. Portanto, o mal de nossas ações nunca pode ser medido meramente pelo bem ou pelo mal que causam a outros humanos. Romanos 14:23 deixa claro que nossa depravação é uma condição principalmente em relação a Deus, e apenas secundariamente em relação ao homem. Este é o grande despertar que precisa acontecer para que as pessoas vejam a extensão de seus pecados e a grandeza do Salvador.

 

Tradução: Rev. Renato Souza Prates

Fonte: Desiring God

Orando Com Os Salmos - Franklin FerreirQuarta Palavra
00:00 / 17:05

Aos domingos, as mensagens são diferentes, selecionadas de outras fontes. Hoje, com Franklin Ferreira.

Pedidos de Oração

​​​

Pelo fim da pandemia.

Pela chegada do Rev. Renato e Juliana.

Pelo Conselho.

Pela Junta Diaconal.

Pelos Ministérios da Igreja.

Pelos enfermos.

Pelos desempregados.

Pelas Missões.

Pela cidade de Macaé.

Pelo Estado do Rio.

Pelo Brasil.

Pelos afastados do Evangelho.

Pelos novos crentes.

Pelos perdidos.

Renião de Oração

Toda Sexta-feira, 6:00 h

Responsáveis:

Presb. Anderson

Cláudia

Lucília

Abril

09/04 Gisele de Barcelos Silva

10/04 Adilson Moreira da Silva

14/04 Gilmar Amorim

20/04 Ivone Ferreira Clen Pregione

22/04 Francisco Clen

22/04 Wagner Costa Moreira

28/04 Matheus Azevedo Marinho

30/04 Luciano Fróes Ribeiro

Durante o período da pandemia o pastor da igreja tem estado disponível para aconselhamentos e reuniões em geral, pelo telefone e internet.

Se você tem alguma necessidade específica procure o pastor da igreja para ser atendido adequadamente. Você pode fazer isto pessoalmente ou através do telefone: (22) 98124-4283.

Por enquanto, as visitações nos lares e atendimentos presenciais no gabinete estão suspensos, por conta da pandemia. Entre em contato e seja pastoreado amorosamente!

Clique no título para conhecer a agenda pastoral.

Toda nossa programação, escala da equipe pastoral, novos eventos você encontrará no Menu > Agenda e Eventos.

Ao selecionar um evento, você verá na descrição as informações referentes.

Experimente agora! Clique no botão acima.

Dados Bancários :

Quarta Igreja Presbiteriana de Macaé.

CNPJ: 16.701.498/0001-50. 

Banco Itaú (341).

Agência: 0941.

Conta-Corrente: 19.643-8.

Chave PIX: 16701498000150

Favor depositar o comprovante junto com o envelope no gazofilácio ou enviar para: tesouraria@ccpmacae.org

Para contatar a Administração da Igreja, envie um e-mail para o Presb. Plínio administracao@ccpmacae.org