Boletim nº 62 - 19 de Dezembro de 2021

o verdadeiro sentido do natal - parte 01 - mateus 1.18-25

por Rev. Renato Souza Prates

Baby Admiring a Christmas Tree_edited_ed

         Qual o verdadeiro sentido do Natal?

         É muito bonito ver as famílias se preparando com seus banquetes, presentes, árvores de Natal e enfeites. A cidade enfeitada e os Shoppings cheios de compradores.

         Mas nós sabemos que o verdadeiro sentido do Natal não é este. O risco que corremos é esquecer que o verdadeiro sentido do Natal é o nascimento do Messias, muito embora, também saibamos que Cristo, provavelmente não nasceu no dia 25 de dezembro, que foi uma data inventada pelo Império Romano, por volta do Século IV,  com a finalidade de afastar os fiéis da festa pagã do natale solis invictus ("deus sol invencível") e passou a significar a chegada do Messias, o "sol da justiça" (cf. Ml 4.2)

         Contudo, a data de 25 de dezembro começou a fazer parte do calendário cristão mundial, como sendo o dia do aniversário de Jesus. Igrejas também se enfeitam, fazem apresentações musicais e até refeições comunitárias. E, muito embora os crentes mais experientes já conheçam o relato do nascimento de Cristo de memória, sempre é interessante analisar este relato bíblico mais de perto e perceber as lições que o Senhor deseja ministrar em nossas vidas.

         Mateus não dá detalhes sobre o nascimento de Jesus em si, mas do contexto dos desafios e promessas da família de Cristo, sob a perspectiva de José, como por exemplo, o seu noivado com Maria.

         Havia três tipos de noivado na época de José e Maria: 

         O primeiro era uma promessa de casamento que poderia ser feita pelos pais dos noivos, quando eles eram ainda bem jovens.

         O segundo era a efetivação do compromisso de casamento feito pelos noivos, que só poderia ser rompido com carta de divórcio e durava aproximadamente 1 ano. Este era o caso de José e Maria.

         O terceiro era o próprio casamento em si, que era a consumação da segunda fase.

         O fato de Maria se achar grávida do Espírito Santo foi algo extremamente humilhante e vexatório, tanto para ela quanto para José, pois ninguém acreditava neste milagre naquele tempo, como também nos dias atuais. Houve quem dissesse que Maria tinha ficado grávida de um soldado romano, por exemplo.

         Por isso, José tentou o divórcio secretamente.

         Contudo, um anjo apareceu a José em sonho e o convenceu do milagre virginal de Maria e que ele não deveria deixá-la. É interessante notar o chamado do anjo a José: “José, filho de Davi”, revelando sua descendência real.

         O nome da criança deveria ser “JESUS” quer dizer “A Salvação do Senhor”. Este era um nome bastante comum naquela época. Josefo, historiador romano chega a listar 12 diferentes homens chamados Jesus naquele tempo. Mas este Jesus viria salvar o seu povo dos seus pecados! Este era o diferencial!

         O nascimento de Jesus cumpriria profecias como as de Isaias 7.14, que foi escrita a mais de 800 anos da vinda do Messias: “Eis que a virgem conceberá e dará à luz a um filho, que será chamado “Emanuel”, que quer dizer “Deus conosco”.

         Aqui alguém pode ser perguntar sobre o porquê deste outro nome?

         O fato é que Jesus é o nome humano de Cristo, enquanto Emmanuel é o seu nome real e celestial!

         Neste sentido, Jesus é o Rei dos Reis, que se fez carne e habitou entre nós, para vermos a sua glória, como a glória do unigênito do Pai!

         John Wesley sempre dizia: O melhor de tudo é ter Deus conosco!

         Finalmente José concretiza seu casamento com Maria, segundo o costume, mas não a conheceu intimamente, até que ela desse à luz ao Salvador! Que provação passou este casal!

         Isto nega completamente o dogma romano da “Virgindade Perpétua de Maria”, já que eles tiveram relações íntimas depois do nascimento de Jesus, e ainda tiveram outros filhos, como testemunham os Evangelhos.

         Pois bem, depois de relembrar o relato do nascimento de Cristo de acordo com Mateus, o que podemos aprender com esta história a respeito do VERDADEIRO SENTIDO DO NATAL?

 

           1)  O PERSONAGEM PRINCIPAL DO NATAL É CRISTO

 

         Quando fazemos uma análise literária do texto lido, percebemos que há um personagem principal, que merece destaque: Jesus Cristo!

         Ele é quem é gerado pelo Espírito Santo! (vv.18-20)

         Ele é quem salvará o seu povo dos seus pecados! (v.21)

         Ele é quem cumpre as profecias do Antigo Testamento a respeito do Messias! (vv.22-23)

         Ele é quem é o EMANUEL, o Deus encarnado! (v.23)

 

         Embora gostemos muito de Papai Noel, dos seus doentes, trenó e presentes, ele não é o principal personagem do Natal!

         Embora gostemos de dar e receber presentes no Natal; mais de receber do que dar, na verdade! Nós e nem as pessoas que amamos somos os personagens principais do Natal!

         Embora tenhamos a mesa farta, enquanto outras famílias padecem miséria, nosso estômago não é o principal personagem do Natal!

         Jesus Cristo é o principal personagem do Natal! E a verdade é que, Ele muitas vezes tem sido esquecido por nós neste dia! A correria e a ansiedade com os preparativos são tão grandes, que esquecemos até mesmo de fazer uma oração de ação graças a Deus pelo envio do seu único filho, que veio para nos salvar!

         Esta é a única festa de aniversário do planeta, onde o aniversariante é esquecido!

         Em segundo lugar,

 

          2)  O NATAL CELEBRA O MAIOR PRESENTE QUE A HUMANIDADE RECEBEU EM TODA A SUA HISTÓRIA – A SALVAÇÃO

 

         O versículo 21 diz que o nome a ser dado ao recém-nascido deveria ser JESUS – Porque ele salvaria o seu povo dos seus pecados!

 

         A primeira atitude que deveríamos ter antes de comermos ou bebermos enlouquecidamente no jantar de Natal, deveria ser dar graças a Deus pela sua salvação em Cristo Jesus!

         Romanos 3.23 e 24 diz que: “Todos pecaram e carecem da glória de Deus, sendo justificados gratuitamente, por sua graça, mediante a redenção que há em Cristo Jesus”

 

         A salvação, portanto, é o maior presente que podemos celebrar no Natal!

         Você já pensou o porquê de darmos e recebermos presentes no Natal, quando na verdade, Cristo é que deveria ser presenteado? Veja, se Cristo é o aniversariante, por que então nós damos presentes a outras pessoas?

         Realmente não faz sentido, e ainda ensinamos isto as nossas crianças, que muitas vezes ficam chateadas porque não ganharam o presente que queriam. E não somente elas, nós também ficamos chateados com os amigos ocultos que participamos!

         Lembremos que os Magos que vieram do Oriente ofereceram corretamente presentes a Jesus: Ouro, incenso e mirra!

         Quem sabe neste Natal poderemos oferecer uma festa a Cristo, em vez de oferecê-la a nós mesmos! Certamente, isto agradaria muito mais ao Senhor!

 

         Em terceiro lugar,


 

       3) JESUS DEVE ESTAR CONOSCO NO NATAL

 

         Mais uma vez, o nome EMANUEL dado a Jesus significa: DEUS CONOSCO!

         Cristo se encarnou e habitou entre nós, para ter comunhão conosco, para se aproximar de nós!

         Portanto, ao celebrarmos o Natal deveríamos pensar mais sobre isto!

         Será que Jesus estará presente em nossas celebrações de Natal, ou daremos lugar a bebedeira, glutonaria, vocabulário chulo e confusões familiares?

         Será que Cristo estará presente neste tipo de encontro? Ou será este mais um encontro para festejar a carne do que qualquer outra coisa?     

          Vejam bem. Não sou contra as festas de Natal, sou contra as motivações que temos para realizar tais festas!

         Mesmo que este discurso possa ser inútil para as famílias que me ouvem agora, eu realmente gostaria que pensássemos melhor sobre isto e celebrássemos um Natal diferente neste ano!

         CONCLUSÃO

         Primeiro, um Natal onde o personagem principal é CRISTO!

         Segundo, um Natal onde celebramos o maior presente da humanidade – A SALVAÇÃO!

         Terceiro, um Natal onde Cristo se faça presente conosco!

Pedidos de Oração

​​​

Pelo fim da pandemia.

Pela chegada do Rev. Renato e Juliana.

Pelo Conselho.

Pela Junta Diaconal.

Pelos Ministérios da Igreja.

Pelos enfermos.

Pelos desempregados.

Pelas Missões.

Pela cidade de Macaé.

Pelo Estado do Rio.

Pelo Brasil.

Pelos afastados do Evangelho.

Pelos novos crentes.

Pelos perdidos.

Renião de Oração

Toda Sexta-feira, 6:00 h

Responsáveis:

Presb. Anderson

Cláudia

Lucília

04/12 Marcelo da Conceição Pinto

07/12 Luciano de Barros Coutinho

10/12 Plínio Feliciano de Aquino

10/12 Cecilia da Silva Coutinho

15/12 Alfredo Moreira da Silva

18/12 Bruna Clen Pregione

19/12 Karen de Araújo Barcelos

21/12 Natalie do Nascimento  Ferreira Mancebo

25/12 Alyson  Oliveira da Fonseca

26/12 Victor Alves de Azevedo Aquino

O pastor está atendendo no gabinete pastoral na Sede Administrativa e também está disponível para aconselhamentos e reuniões em geral pelo telefone e internet.

Se você tem alguma necessidade específica procure o pastor da igreja para ser atendido adequadamente. Você pode fazer isto pessoalmente ou através do telefone: (22) 98142-4006.

Por enquanto, as visitações nos lares estão suspensas, por conta da pandemia. Entre em contato e seja pastoreado amorosamente!

Clique no título para conhecer a agenda pastoral.

Toda nossa programação, escala da equipe pastoral, novos eventos você encontrará no Menu > Agenda e Eventos.

Ao selecionar um evento, você verá na descrição as informações referentes.

Experimente agora! Clique no botão acima.

Dados Bancários :

Quarta Igreja Presbiteriana de Macaé.

CNPJ: 16.701.498/0001-50. 

Banco Itaú (341).

Agência: 0941.

Conta-Corrente: 19.643-8.

Chave PIX: 16701498000150

Envio de comprovantes ou assuntos administrativos, entre em contato: whatsapp (22) 98142-4006